Plano de Implementação – Sumário Executivo

A Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO, sob a liderança de ArielTroisi (Presidente da COI) e de Vladimir Ryabinin (Secretário Executivo da COI), agradece às inúmeras entidades, individuais e institucionais, que contribuíram para o Plano de Implementação ao longo dos últimos três anos.

A ideia da Década nasceu de uma reunião de responsáveis da COI e quadros superiores doSecretariado que teve lugar no início de janeiro de 2016 em Gilleleje, na Dinamarca. A reunião foi presidida pelo então Presidente da COI, Peter Haugan, e beneficiou de aconselhamento estratégico do antigo Secretário Executivo da COI, Gunnar Kullenberg.

O Plano de Implementação teve a sua génese nas discussões de um grupo provisório de planeamento, nos primeiros meses de 2018. Na sequência destas reflexões, foi criado, em meados de 2018, um Grupo de Planeamento Executivo (EPG), composto por 19 líderes mundiais em ciência dos oceanos, e que contribuiu significativamente para o desenvolvimento do Plano de Implementação1. Um grupo informal de profissionais dos oceanos em início de carreira, criado no final de 2019, contribuiu para a configuração do Plano de Implementação1.

Entre junho de 2019 e maio de 2020, foram convocados mais de 1900 participantes da comunidade científica, dos governos, de entidades da ONU, de ONG, do setor privado e entidades doadoras de dez bacias oceânicas, para reuniões de planeamento a nível global, temático e regional. Estas reuniões foram um importante contributo para o Plano de Implementação, fornecendo orientações sobre as prioridades científicas e as necessidades de desenvolvimento de competências, bem como informações sobre as parcerias existentes e futuras para a implementação das Ações da Década. Os Governos do Brasil, do Canadá, da Dinamarca, da Índia, de Itália, do Japão, do Quénia, da Noruega, da Suécia, da República da Coreia e do México, bem como os Secretariados do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (Convenção de Nairobi, Plano de Ação para o Mediterrâneo, Programa Ambiental das Caraíbas), a Comissão Europeia, o Instituto das Fronteiras Oceânicas [Ocean Frontier Institute, Canadá], a Organização das Ciências Marinhas do Pacífico Norte [North Pacific Marine Science Organization, PICES], o Instituto Nacional de Tecnologia dos Oceanos [National Institute of Ocean Technology, Índia], o Conselho Internacional de Exploração do Mar (CIEM), a Comissão Permanente do Pacífico Sul (CPPS), a Comissão de Ciência Mediterrânica [Mediterranean Science Commission, CIESM], o Centro Dinamarquês de Investigação Marinha, a Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM), o Conselho de Investigação da Noruega, a rede Arctic Frontiers, Comunidade do Pacífico (SPC), a União Geofísica Americana [American Geophysical Union, AGU], o Pacto Global das Nações Unidas, a Associação de Ciências Marinhas do Oceano Índico Ocidental [Western Indian Ocean Science Association, WIOMSA], as Fundações Velux, a Fundação Grupo Boticario e a Fundação Carlsberg, prestaram um apoio inestimável à organização desses .

No final de 2019, mais de 50 das principais instituições que se dedicam à temática dos oceanos apresentaram as suas observações escritas a fim de contribuir para o desenvolvimento das prioridades científicas da Década, tendo sido recebidas mais de 230 observações escritas em resposta à revisão pelos pares da versão zero do Plano de Implementação entre março e abril de 2020. A atual versão do Plano de Implementação beneficiou de uma revisão exaustiva por parte dos Estados-Membros, da COI e dos membros da ONU-Oceanos, em junho e julho de 2020.

Esta entrada foi publicada em . Guardar o permalink.